quinta-feira, 31 de março de 2011

Carta de Gagarin à esposa antes da primeira viagem espacial

Peço-te que não morras de dor (...) ninguém está livre de amanhã ser atropelado por um automóvel. Eu acredito completamente na tecnologia. Ela não deve enganar”, escreveu Iúri Gagarin a 10 de Abril de 1961, dois dias antes de fazer a primeira viagem espacial.
Estas frases constam de uma carta enviada pelo primeiro cosmonauta que, juntamente com outros documentos secretos sobre a vida e obra de Gagarin, são publicados no livro “108 minutos que mudaram o mundo”, de Anton Pervuchin, que chegará às prateleiras das livrarias russas no início de Abril.
Na carta, dirigida à esposa e às duas filhas, Gagarin acrescenta: “Uma pessoa pode cair e torcer o pescoço. Aqui também tudo pode acontecer. Mas, por enquanto, não acredito nisso”.“Mas se algo acontecer, devemos saber tudo até ao fim. Eu vivi, até agora, honestamente, com verdade e sendo útil às pessoas, embora a minha vida tenha sido ainda curta. Quando era criança, li as palavras de Tchkalov: ‘A ser, tenho de ser o primeiro’. Tento ser assim até ao fim”, escreveu ainda.
Valentina Gagarina, esposa do homem que realizou a primeira viagem espacial na história, apenas recebeu esta missiva depois da morte do marido, a 27 de Março de 1968.
No livro de Perchuvin, que assinala o 50º aniversário da primeira viagem do homem ao Espaço, o autor relata que as autoridades soviéticas sempre afirmaram que a cápsula “Vostok” aterrou, com Gagarin a bordo, no local previsto, embora isso não corresponda à verdade.
O astronauta acabou por aterrar na região de Saratov, no sul da Rússia, longe do local calculado pelos engenheiros, e a esposa e a neta de um guarda-florestal local foram as primeiras a vê-lo a regressar do Espaço. “Sou dos nossos, dos nossos, sou soviético”, gritou ele ao notar o rosto de espanto delas quando viram um homem dentro de um escafandro.
Segundo Pervuchin, as autoridades comunistas tentavam fazer segredo de todas as informações sobre o seu programa espacial. Por exemplo, um censor proibiu os jornais soviéticos de escreverem que o foguetão tinha três níveis de locomoção.
Os nomes dos construtores das naves espaciais eram também um grande segredo. Por exemplo, após a viagem de Gagarin ao Espaço, o nome do principal engenheiro, Serguei Koroliov, continuou a ser desconhecido, o que o deixava profundamente ofendido.
O autor do livro considera que Koroliov olhava com maus olhos para o facto de a direcção comunista da URSS encarar as viagens espaciais com fins puramente políticos, pondo, por vezes, em risco a vida dos astronautas.
Leia tambêm: Trailer do filme "First Orbit", em homenagem a Yuri Gagarin. (http://daterraparaasestrelas.blogspot.com/2011/03/trailer-do-filme-first-orbit-em.html)
Fonte:
Ciência Hoje - Portugal. (http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=48198&op=all) (30 março 2011).
Mestre João - História da Astronomia e Astronáutica. (http://gaea-mestrejoao.blogspot.com/2011/03/carta-de-cosmonauta-mulher-antes-da.html) (31 março 2011).

Um comentário:

  1. Olá, Otávio!
    Para vc ver, como não só a questão religiosa pode atrapalhar a vida de alguém, também, o estado de disputa do setor político e econômico, de guerra e
    alimentação de espírito egoísta, concorrem para as deficiências progressistas da humanidade. É segredo, não conto a ninguém... tá certo, mas, um dia saberemos tudo como se passou, então... isso adianta?
    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir