sábado, 7 de abril de 2012

Presidente da Amazon encontra motores da Apollo 11 no mar.

Jeff Bezos, diretor-presidente da Amazon.com e um dos homens mais ricos do mundo, demonstra interesse no futuro da exploração espacial. Sua recém-inaugurada Blue Origin (uma empresa de astronáutica) está construindo veículos lançadores suborbitais e recebeu milhões em financiamento da Nasa para desenvolver a próxima geração de tecnologias de voo espacial. Parece, porém, que Bezos tem também paixão pela história do voo espacial. De acordo com notícia postada por ele em site pessoal, Bezos financiou uma equipe de exploradores das profundezas do mar que localizou os motores do primeiro estágio que, em 1969, levaram Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins em direção à Lua a bordo da Apollo 11. 
Momento da separação do primeiro estágio da Apollo 11 (NASA)



Cinco motores Rocketdyne F-1 ergueram no ar os foguetes da nave Saturno V, que transportava os astronautas da Apollo em 16 de julho daquele ano, gerando quase 3,5 milhões de quilos de empuxo, segundo o Smithsonian National Air and Space Museum. Após 2,5 minutos, a uma altitude de 38 km, o segundo estágio assumiu o controle e o primeiro, já gasto e caiu em direção ao Oceano Atlântico. Por mais de quatro décadas, os motores da Apollo 11 F-1 descansaram no fundo do mar, em localização desconhecida. Em breve, porém, eles podem retornar à superfície, caso a vontade de Bezos prevaleça:

“Estou emocionado em informar que, usando um sonar de profundidade de alta tecnologia, a equipe encontrou os motores da Apollo 11 a cerca de 4 mil metros abaixo da superfície; planejamos tentar resgatar um ou mais deles do fundo do mar. Não sabemos ainda quais as condições desses motores, já que atingiram o oceano em alta velocidade e ficaram em água salgada por mais de 40 anos. Por outro lado, eles são feitos de material resistente, por isso vamos ver.”

A mensagem não dá detalhes sobre como a equipe de Bezos identificou os motores como pertencentes a Apollo 11. Bezos observa que os motores continuam de propriedade da Nasa, mas que espera que sejam dispostos para visitação pública. “Se pudermos recuperar um desses motores F-1 que colocaram a humanidade em sua primeira viagem para outro corpo celeste, imagino que a Nasa decidirá disponibilizá-los no Smithsonian, para todos verem”, escreveu ele. “Se conseguirmos resgatar mais de um motor, eu perguntei à Nasa se concordariam em deixá-lo no excelente Museum of Flight, aqui em Seattle.” por John Matson.



Fonte: Scientific American Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário