sexta-feira, 6 de junho de 2014

Os estádios da Copa do Mundo vistos do espaço

Imagens de satélite mostram os palcos da Copa

Em meio a toda essa polêmica quanto aos gastos com a Copa do Mundo, foi divulgado essa semana imagens dos estádios (ao todo são 12, e se dependesse de Lula seriam 17) vistos do espaço, à cerca de 700 km na órbita terrestre. Nas imagens é fácil perceber que as obras ainda não estão completas.

A divulgação foi feita pelo grupo Airbus Defence and Space, uma divisão da Airbus responsável pelo desenvolvimento e fabricação de produtos destinados à aplicação aeroespacial e de defesa. Esse grupo foi reestruturado no início desse ano, e veio da extinção da EADS. A fusão de três das empresas controladas pela EADS (Astrium, Cassidian e Airbus Military) deu origem a essa nova unidade.

As imagens foram capturadas por dois satélites gêmeos, chamados Plêiades 1A e 1B, que fotografam toda a superfície da Terra a cada 26 dias, numa altitude de 694 km. Eles foram lançados em dezembro de 2011 (1A) e dezembro de 2012 (1B) pelas naves russas Soyuz, da base de Kourou (na Guiana Francesa) e deverão operar por pelo menos cinco anos.
O programa Plêiades foi criado dentro do projeto francês-italiano ORFEO (Optical & Radar Federated Earth Observation) em 2001, mas o projeto só foi lançado em outubro de 2003 pela CNES (agência espacial francesa) num consórcio com a EADS Astrium (atual Airbus Defence and Space).

Cada fotografia tem uma resolução de 70 centímetros. Os satélites também capturam imagens em 3D e têm um capacidade teórica máxima de 1 milhão de km² por satélite.

Mas, vamos ao que interessa. As imagens dos estádios serão mostradas com algumas informações sobre sua arquitetura, projeto de construção, preço, etc.

  • Estádio de Brasília: O Estádio Nacional de Brasília, conhecido como Mané Garrincha, receberá a seleção brasileira no terceiro jogo da primeira fase, contra Camarões.Orçado inicialmente em R$ 745 milhões, o estádio custou R$ 1,6 bilhão. Acomoda 70.064 torcedores.

  • Estádio de Manaus: Muito questionada por causa da pouca expressão do futebol amazonense, a Arena Amazônia, em Manaus, ainda precisa concuir obras ao seu redor. O estádio vai receber o duleo entre Inglaterra e Itália logo no terceiro dia da Copa. Acomoda 42.374 torcedores.

  • Estádio de Fortaleza: Estádio Castelão, em Fortaleza, foi reformado para receber o Brasil. A seleção enfrenta o México na capital do Ceará, no dia 17. Acomoda 64.846 torcedores.
Continue lendo...

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Astronauta brasileiro será candidato a deputado. Veja a entrevista.

Pontes filiou-se ao PSB

Opinião: Antes de lerem, lembrem-se do que Platão nos ensinou: "Não há nada de errado com aqueles que não gostam de política. Simplesmente serão governados por aqueles que gostam." Torço por você Marcos Pontes!

O astronauta Marcos Pontes, primeiro brasileiro a ir ao espaço, anunciou que será candidato a deputado federal por São Paulo nas próximas eleições. Piloto de combate e engenheiro de sistemas, ele foi escolhido em 1998 para ser o primeiro astronauta nacional, como consequência de um acordo entre a Agência Espacial Brasileira e a Nasa para participação tupiniquim na Estação Espacial Internacional. A parceria entre americanos e brasileiros acabou azedando, vítima de impasses dentro do nosso governo, mas Pontes acabou voando ao complexo orbital em 2006, numa espaçonave russa Soyuz.
Compartilhe no Facebook: http://migre.me/jBBVN

Em órbita, ele realizou os experimentos selecionados pela AEB como parte da Missão Centenário, que comemorou os cem anos do primeiro voo de um avião feito pelo brasileiro Alberto Santos-Dumont. A iniciativa consumiu cerca de US$ 10 milhões. Já que a moda agora é comparar tudo com o custo da Copa de 2014, só o que foi gasto com os estádios (cerca de R$ 9 bilhões) daria para realizar uns 400 voos espaciais como aquele.

A viagem do astronauta ganhou contornos de polêmica quando, logo após seu retorno, Pontes passou à reserva da Força Aérea Brasileira. Algumas reportagens veiculadas à época davam conta de que ele estava se aposentando precocemente para poder se dedicar ao mercado de palestras. Pontes nega que isso tenha acontecido. Ele alega que sua passagem à reserva era obrigatória pelo regulamento da FAB e que a história das palestras não é bem a que se conta.