quinta-feira, 28 de abril de 2011

Radiotelescopios do SETI são desligados.

O conjunto de 42 radiotelescopios, conhecido como ATA (Allen Telescope Array), do projeto SETI entrou em estado de hibernação, segundo artigo publicado na revista Sky & Telescope (http://www.skyandtelescope.com/news/home/120703884.html ) por falta de recursos. Abaixo reportagens sobre o assunto publicadas no Estadão e no G1.
Isaac Gary / UC Berkeley



Se o ET telefonar para a Terra, ele receberá um sinal de "desconectado". Sem dinheiro para pagar suas despesas operacionais, o Instituto Seti, na Califórnia, Estados Unidos, desligou a tomada do famoso Allen Telescope Array, um conjunto de antenas de rádio que vasculha os céus buscando sinais de civilizações extraterrestres.
Em uma carta enviada a doadores na sexta-feira, o presidente executivo do Instituto Seti, Tom Pierson, disse que, na semana passada, o conjunto de antenas foi colocado em "hibernação" por falta de apoio governamental adequado.
Cortes no orçamento do estado da Califórnia e menos dinheiro da Fundação Nacional da Ciência (NSF, na sigla em inglês), agência federal dos Estados Unidos para o desenvolvimento de pesquisas científicas, são os motivos apontados pelo Seti para a desativação do complexo.
Ben Margot / AP Photo

O momento não poderia ser pior, se queixam cientistas do Seti. Após anos de contemplação, astrônomos anunciaram recentemente que 1.235 novos possíveis planetas foram observados pelo Kepler, um telescópio montado em um satélite espacial.
Os cientistas acreditam que dezenas desses planetas devem ser do tamanho da Terra - e alguns estarão na "zona habitável", aquela na qual as temperaturas são apropriadas para a existência de água líquida.
"Há uma enorme ironia", afirmou a diretora do Instituto Seti, Jill Tarter. "No momento em que descobrimos tantos planetas para olhar, não temos os recursos operacionais para ouvi-los."
O astrônomo sênior do Seti, Seth Shostak, disse que a suspensão do projeto seria o mesmo que deixar as caravelas portuguesas "Santa Maria, Pinta e Nina ancoradas... Nosso negócio é explorar".
O financiamento do Seti sempre foi um problema para os cientistas. O que está faltando agora, porém, é financiamento para sustentar os custos rotineiros da operação das antenas. Seriam necessários US$ 5 milhões nos próximos dois anos.
Esforços juntos à Força Aérea norte-americana estão sendo feitos para retomar as atividades do ATA, que entrou em estado de "hibernação" desde o dia 22 de abril. Agora, os radiotelescópios receberão apenas serviços de manutenção, com uma equipe reduzida. Para ajudar na captação de recursos, o site do Seti também pede por doações.

Fonte: 
Estadão (http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110427/not_imp711328,0.php) (27 abril 2011)
G1 (http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2011/04/conjunto-de-telescopios-para-cacar-ets-e-desativado-nos-estados-unidos.html) (27 abril 2011) 
Sky & Telescope (http://www.skyandtelescope.com/news/home/120703884.html ) (26 abril 2011)

Um comentário:

  1. Olá, Otávio!
    Tenho ou não tenho razão, quando eu digo: "toda atividades humana (projetos) demanda tempo e dinheiro"! Olha aí, na nação mais rica do planeta o que acontece? Tempo; esse temos de sobra, pois sempre teve cientistas, pesquisadores e até voluntários técnicos, além da ajuda que a comunidade de internautas deu para o projeto, colocando os seus equipamentos ( PCs ) ligados em rede, para processar a pilha de dados levantados, relativos da escuta nas múltiplas frequências captadas por essas antenas do projeto. Mas, eis que falta, o dinheiro ( energia em forma de moedas) e para qq atividade que não contar com essas duas constantes, o destino é esse mesmo... paralização!
    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir