terça-feira, 15 de julho de 2014

Curiosity encontra meteorito em Marte

Fato é relativamente raro

Esta rocha encontrada pelo jipe-robô Curiosity, da NASA, é um meteorito de ferro chamado de "Líbano", semelhante em forma e brilho aos meteoritos de ferro encontrados em Marte pela geração anterior de rovers: Spirit e Opportunity, que estão no planeta vermelho. O Líbano tem cerca de 2 metros de largura (da esquerda para a direita, a partir deste ângulo). A peça menor no primeiro plano é chamado de "Líbano B". Compartilhe no Facebook: http://migre.me/kugNw

A imagem mostrada é uma composição de uma série de imagens circulares de alta resolução tiradas pelo Remote Micro-Imager (RMI) da ChemCam do Curiosity. As imagens compostas foram tiradas durante o dia marciano de nº 640 de trabalho do Curiosity em Marte (25 de maio de 2014).

A imagem mostra cavidades em forma angular sobre a superfície da rocha. Uma explicação possível para isso é o resultado da erosão ao longo das fronteiras cristalinas no interior do ferro do meteorito. Outra possibilidade é que essas cavidades continham cristais de olivina (que podem ser encontradas em um tipo raro de meteoritos chamados pallasites), cristais esses que podem ter sido formados perto da fronteira manto-núcleo dentro de um asteroide.

Meteoritos ferrosos não são raros entre os meteoritos encontrados na Terra, mas são menos comuns do que meteoritos rochosos. Em Marte, os meteoritos de ferro dominam o pequeno número de meteoritos que foram encontrados. Parte da explicação pode vir da resistência do ferro para com os processos de erosão em Marte.

ChemCam é um dos 10 instrumentos da carga útil científica do Curiosity. Ela foi desenvolvida pelo Departamento de Energia dos EUA, Laboratório Nacional Los Alamos (em Los Alamos - Novo México), em parceria com cientistas e engenheiros financiados pela Agência Espacial Francesa (CNES), da Universidade de Toulouse e da Agência Francesa de Pesquisa (CNRS).
Mais informações sobre a ChemCam aqui.

Direitos de imagem: NASA/JPL-Caltech/LANL/CNES/IRAP/LPGNantes/CNRS/IAS/MSSS.
Fonte: NASA
Tradução: equipe Da Terra Para As Estrelas

Nenhum comentário:

Postar um comentário