segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

1ª Tripulação Brasileira encerra atividades na simulação de viagem a Marte

Em artigo, Marcelo de Oliveira Sousa (coordenador do CALC - Clube de Astronomia Louis Cruls), fala sobre o término da participação da 1ª tripulação brasileira numa simulação de viagem a Marte, ocorrida na MDRS, nos Estados Unidos. Ele também comenta sobre as fortes atividades solares dos últimos dias e suas possíveis consequências.
Tripulação Brasileira Cruzeiro do Sul na estação MDRS, da Mars Society.
A tripulação brasileira foi composta por 5 pessoas, sendo 4 do CALC (veja aqui a tripulação). Eles partiram para os Estados Unidos no dia 19 de janeiro e terminaram a missão no dia 28, depois visitaram a NASA (em Houstoun).
Abaixo o artigo de Marcelo, intitulado "Explorando o Futuro", publicado hoje em sua coluna semanal no Jornal O Diário:

A tripulação Brasileira na estação de pesquisa no deserto sobre Marte da Mars Society encerrou suas atividades com sucesso no ultimo dia 28 de janeiro. Foi uma experiência inesquecível para os membros da tripulação. Estiveram isolados em uma estação localizada no deserto de Utah, nos Estados Unidos. Durante esse período realizaram a simulação de uma viagem de exploração do planeta Marte. Foi o primeiro grupo da America Latina a participar dessa atividade. Um motivo de orgulho para o Clube de Astronomia Louis Cruls. Foram realizados diversos experimentos tendo como objetivos, encontrar formas de vida, identificar reservatórios de água e criar mecanismos de orientação a partir do Sol e das constelações. Na habitação, onde permaneceram isolados, tiveram que controlar a utilização de água e utilizaram alimentos produzidos por um programa coordenado por uma universidade norte-americana. A tripulação brasileira superou as limitações impostas pelo ambiente inóspito e pela ausência de contato com outras pessoas. Uma preparação para que, em um futuro não muito distante, brasileiros realizem, a partir de foguetes desenvolvidos em nosso país, a exploração do Universo. Um sonho que a cada dia se torna mais próximo da realidade.
A tripulação pelas câmeras da MDRS

Pausa para mudanças...
Meditando com auxílio de Schopenhauer: “Vista pelos jovens, a vida é um futuro infinitamente longo; vista pelos velhos um passado muito breve.”

Nas últimas semanas o Sol tem mostrado grande atividade. Foram intensas explosões em sua superfície. Algumas delas voltadas na direção do planeta Terra. Não trazem riscos para as gentes, mas podem causar problemas para os satélites em orbita do nosso planeta. Felizmente ainda não ocorreram grandes problemas. Uma grande explosão solar pode levar a que os sistemas de comunicação sejam afetados. Há previsão de novas e intensas explosões no Sol. As gentes devem estar atentas e vigilantes. O único resultado observado na Terra nesse período foi um belo espetáculo. Partículas carregadas provenientes do Sol seguem a orientação do campo magnético terrestre e entram na atmosfera pelos pólos magnéticos. Essas partículas carregadas transferem energia para os gases da atmosfera terrestre. Esses gases tendem a voltar a seu estado inicial e ao fazerem isso liberam energia em forma de ondas eletromagnéticas, emitindo luzes de varias matizes. O céu noturno de regiões próximas aos pólos magnéticos apresenta luzes coloridas, um fenômeno conhecido como aurora. Quando ocorrem no hemisfério Norte são chamadas de Auroras Boreais. No hemisfério Sul são chamadas de Auroras Austrais. Devido à intensidade das ultimas explosões solares as auroras boreais também foram observadas em regiões bem distantes do pólo magnético norte. Em alguns estados norte-americanos foi possível observá-los iluminando o céu noturno. Por enquanto somente um grande espetáculo tem ocorrido após intensas atividades no Sol. Uma ótima noticia para as gentes.

Céu limpo para todos.

Fonte: Jornal O Diário (Caderno DMais Pag. 2) dia 30 janeiro de 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário