sábado, 15 de setembro de 2012

Nós realmente pousamos na Lua! Quer provas?

Você já deve ter conversando com alguem que não acredita que o homem foi na Lua. E essa pessoa certamente usou um dos argumentos abaixo para tentar corroborar a tese da "farsa histórica". 
Como disse o físico Stephen Hawking (sobre alienígenas, mas que serve para a situação do pouso lunar também), “se o governo está escondendo que tem conhecimento de alienígenas, estão fazendo um trabalho melhor nisto do que em todo o resto [de suas obrigações]“

Entre muitas das alegações, vamos discutir aqui algumas delas: a ausência de estrelas no céu lunar, sombras em várias direções, ausência de cratera embaixo do módulo lunar, o Cinturão de Van Allen, e a bandeira americana.

As imagens tem iluminação indireta

A alegação é de que, se o sol é a única fonte de luz, então os astronautas, quando estão na sombra, deveriam estar no escuro completo. Para que eles aparecessem nas fotos, deveria haver uma iluminação adicional, o tipo de coisa que se faz em estúdio.
Esta alegação está quase certa. De fato, o sol é a única fonte de luz direta, e, de fato, os astronautas estão sendo iluminados por luz indireta. Mas para isso não é preciso uma iluminação de estúdio. O solo lunar pode refletir a luz solar e iluminar o astronauta na sombra.
Há uma experiência interessante na internet que mostra bastante o efeito da reflexão da luz pelo solo para iluminar o que está na sombra. Veja:
 

Não há estrelas nas fotos, e como na lua não tem ar, as estrelas deveriam ser mais visíveis

Aqui, temos duas coisas a considerar. Primeiro, a atmosfera terrestre é bastante transparente. Nós lançamos telescópios para o espaço por que eles podem ficar observando o céu 24 horas por dia, todos os dias, sem problemas de turbulência ou céu encoberto. Mesmo assim, alguns dos telescópios mais poderosos do mundo estão na superfície terrestre, como o Keck no Havaí, o das ilhas Canárias e os telescópios no deserto do Atacama, no Chile.
Em segundo lugar, as estrelas são objetos pouco brilhantes, e isto vale para a observação feita na Terra ou na lua. Para fotografar estrelas, tanto na Terra quanto na lua, é preciso abertura grande, longos tempos de exposição, e um tripé. Mas as câmeras Hasselblad usadas pelos astronautas estavam reguladas para fazer fotos sob luz forte e na sombra, e só. Nestas condições, as estrelas simplesmente não são registradas pelo filme.

Há sombras nas figuras que apontam em direções diferentes, e isto significa que havia mais de uma fonte de luz

Qualquer um que tenha caminhado à noite nas ruas deve ter notado que várias lâmpadas produzem várias sombras. Em geral, para cada lâmpada você vai ter uma sombra para cada objeto.
Na lua, as sombras parecem apontar em direções diferentes não por causa de mais de uma luz, mas por causa da superfície irregular, e pelo fato das fotografias serem uma representação bidimensional de um cenário tridimensional, ou seja, da perspectiva.

Não há uma cratera onde o Módulo Lunar pousou

Ao pousar, os foguetes do Módulo Lunar não estavam a toda potência, e exerceram uma pressão de cerca de 1.000 kg/m² na saída do motor. Isto não é muito, é praticamente 100g por cm/². Considerando ainda que os gases se espalham rapidamente no vácuo, o que chega ao solo é só um vento suave.
O astrônomo amador José Carlos Augustoni ainda faz uma outra comparação: um helicóptero Sikorsky pesa 4 vezes mais do que o Módulo Lunar pesava na lua, e produz, para decolar, um empuxo 4 vezes maior, mas não deixa uma marca ou buraco quando decola em terreno arenoso.

O Módulo Lunar deveria ter jogado poeira para cima quando pousou, o que deveria ser visível nos pés do módulo

De fato, ele levantou poeira, mas o pouco de poeira que ele levantou não deveria estar por perto. Por quê? Simplesmente por que não há ar na lua. Quando um foguete funciona na Terra, a pressão do ar arrasta tudo que está ao redor. Na lua, entretanto, só o que for atingido diretamente pela exaustão é movido.

Quando a bandeira americana é colocada na lua, ela balança por causa de uma brisa

De fato, a bandeira balança, só que não se trata de uma brisa: a bandeira balança por que está pendurada sob uma barra horizontal, e está sendo movida pelo astronauta.
A ideia de colocar uma barra horizontal na bandeira foi da própria Nasa, já que sem isto a bandeira ficaria caída ao lado do mastro, sem mostrar suas estrelas e listras.

O Cinturão de Van Allen mataria qualquer astronauta que passasse por ele

O blogueiro Phil Plait aponta que uma pessoa sem proteção poderia de fato receber uma dose letal de radiação, se ficasse tempo suficiente por lá. Mas este não foi o caso dos astronautas daquelas missões, que passaram rapidamente pelos cinturões, demorando não mais que uma hora. Não houve tempo para que a dose absorvida se tornasse letal.

As rochas lunares eram meteoritos da Antártida ou foram feitas em laboratório

Podemos provar que não se tratam de amostras de laboratório simplesmente comparando com meteoritos lunares que caíram na Antártida. As amostras de solo lunar foram comparadas com os meteoritos, e ficou claro que se tratam de amostras lunares.
E as rochas lunares não podem ser meteoritos, porque qualquer meteorito que cai na Terra é oxidado e queimado na reentrada, e mais tarde contaminado pela umidade. As amostras das missões Apolo não tem nenhuma destas marcas.


Por fim, a conclusão que nos resta é de que o pouso lunar foi real.
As alegações de conspiração e de falsificação geralmente vêm de pessoas que não compreendem os princípios da fotografia ou da física. Por um lado, as perguntas ajudam a conhecer melhor as missões, mas é preciso ser racional: se as supostas “provas” de que a missão foi uma fraude acabam sendo desmentidas, é preciso concordar que até agora não temos motivos para acreditar que tudo não passou de falsificação.

Fonte: Hypescience

5 comentários:

  1. Bastante esclarecedor. Espero que com este artigo as pessoas passem a dar mais valor à Ciência e deixem as teorias de conspirações para trás.

    Vou aproveitar e divulgar.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. se isso for verdade tudo bem mas se a ciência for tentar achar uma forma de provar que Deus não existe ai não vou acredito nunca no que ela diz a primeira coisa é o Big Bem tudo surgil de uma explosão, se sabemos que foi Deus que criou tudo que existe!

      Excluir
    2. A ciência nunca tentou e nunca vai tentar "provar que Deus não existe", pois a ciência não considera um criador. Considera apenas estudos e evidências. A teoria do BIG BANG é muito mais complexa do que uma simples explosão. Ela foi formulada com base em evidências e observações. Não surgiu de escrituras antigas ou simplesmente da cabeça de alguém.

      Excluir
  2. Quanto às sombras em diferentes direções: são fotos panorâmicas (várias fotos lado a lado). Tire uma com sua câmera digital e verá o mesmo efeito.

    ResponderExcluir
  3. Ótimo, parabéns pela postagem esclarecedora, para quem quiser ler ainda mais a respeito deixo o seguinte link:

    http://www.projetoockham.org/historia_lua_1.html

    ResponderExcluir