quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Meteoro passa sobre Campos e Espírito Santo: cobertura completa e atualizações

notícia tomou as capas dos jornais 


Atualização (dia 22, às 19h50min): Foi divulgado áudio da torre de comando do aeroporto de Vitória, no qual a torre diz ter visto 2 meteoros! Veja aqui.
Primeiras notícias
Na manhã de ontem, por volta das 10h10min, um meteoro cruzou o céu de Campos e mesmo com a forte luminosidade do Sol, ficou visível a olho nu por cerca de 12 segundos. Ele foi visto desde o sul do estado (em Cabo Frio), até em Vitória (no Espirito Santo).
Segundo observadores na torre de controle do aeroporto de Vitória o meteoro era amarelado e tinha trajetória descendente, no sentido de norte ao sul. A Infraero confirmou que foi observado uma bola de fogo do centro de controle, mas disse que não emitiu uma nota para os pilotos devido a rapidez do fenômeno. Ela também destacou que nenhuma operação aérea foi prejudicada pelo fenômeno.
De acordo com os bombeiros de Campos, o órgão recebeu vários chamados de alguns pontos da cidade campista, comunicando que uma bola de fogo estaria passando pelo céu.
Os meteoros que cruzam a atmosfera terrestre estão associados a formação do sistema solar. Eles são rochas que estão vagando no espaço.



O coordenador do Clube de Astronomia Louis Cruls (do IF Fluminense - Campos RJ), Marcelo Oliveira, disse que após a queda de um meteoro na Rússia na semana passada, ele recebeu um alerta da possibilidade de sinais no céu, emitido por um grupo de pesquisa internacional. Ele também lembra que esse fato é muito parecido com o que ocorreu em 2010, onde um meteoro foi avistado também nas regiões norte e noroeste do Rio de Janeiro, inclusive Campos e teria caído na cidade de Varre-Sai.
O Clube de Astronomia possui uma câmera especial, chamada de AllSky, projetada para gravar 24h o céu de Campos, mas devido ao horário em que o fenômeno aconteceu, os raios solares dificultaram a captura do flagrante.

Erro na TV
Na reportagem do Jornal Nacional, e nos outros jornais de TV, foi dito que houve a passagem de dois meteoros. Isso foi um equívoco, na verdade foi um só. Essa confusão se deu por conta de alguns relatos dizerem que a hora da passagem foi às 10h, e outros dizerem que foi por volta das 11h. 
Essa diferença de 1 hora entre os relatos foi porque várias pessoas ainda não tinham atrasado o relógio, ou seja, ainda estavam com o relógio no horário de verão (que acabou no domingo passado) e quando observaram o rastro luminoso no céu, olharam para o relógio e estava marcando próximo das 11h da manhã.

Local de impacto
Agora a grande pergunta é: esse meteoro atingiu o solo? Ou seja, ele resistiu as altas temperaturas geradas pelo atrito entre o corpo e a atmosfera e conseguiu o status de "meteorito"?
Existe um relato publicado em vários jornais do Espirito Santo, onde um funcionário de uma faculdade da Serra afirma ter visto o momento em que o objeto caiu do céu em uma mata localizada às margens da Rodovia ES 010. Abaixo o relato de José Roberto Eustáquio dos Santos, extraído de um jornal: 
"Em torno das 10h20 e 10h30 passou aquele fogo mais ou menos do tamanho de uma bola de futebol em direção à matinha. Eu vi ela cair do céu na mata. Minutos depois que caiu na mata começou a sair fumaça do local", disse.
O vigilante diz não ter dúvidas que o objeto tenha caído na região. Ele conta que ficou assustado com a cena. "Nunca vi nada parecido. Comentei com as pessoas, mas muitas não acreditaram".

Trajeto do meteoro, por Dirk Ross
O que os especialistas no assunto dizem.
Diante de tantas notícias desencontradas, é sempre bom ter uma fonte segura. O pesquisador japonês Dirk Ross, o maior especialista em meteoritos do mundo, disse em seu blog (tradução livre) que existe a chance de haver meteoritos e deles estarem em terra (não somente de terem caído no mar). Ainda completou: "Este evento, juntamente com o da Rússia e outros grandes eventos, demonstram que o Brasil precisa assumir a ameaça de impacto de um asteroide com mais seriedade e expandir a rede nacional de detecção, a partir das câmeras AllSky".
A maior especialista em meteoritos do Brasil, Maria Elizabeth Zucolotto (do Museu Nacional/UFRJ), afirma que os bólidos (bolas de fogo no céu) diurnos são mais raros que os noturnos, pois tem que ser bem brilhante para chamar atenção durante o dia.
Os bólidos são meteoros maiores, nove vezes mais brilhantes. Em geral sobrevivem à queima durante a passagem atmosférica (por serem maiores e mais resistentes que um pequeno meteoro).

O que está acontecendo?

Diante dessas novas notícias, quase diárias, sobre meteoros e bolas de fogo no céu, todos estão perguntando se está acontecendo algo no espaço próximo da Terra. 
Todos os pesquisadores que conheço e que comentaram sobre as aparições de meteoros, desde a explosão  na Rússia (no dia 15), falam a mesma coisa: não foi a incidência de meteoros que aumentou, mas sim a frequência na qual nós estamos observando o céu e relatando aos jornais. 
Desde o meteoro da Rússia, que deixou 1200 feridos, houve relatos em Cuba, Estados Unidos, Itália e China. Só no Brasil houve esse que passou sobre Campos, um sobre o Rio (que era um avião...), São Paulo e Santa Catarina
Um exemplo disso foi nessa semana, quando o O Globo recebeu cerca de 20 mensagens, algumas com fotos, sobre um meteoro no céu do Rio de Janeiro. Na foto pode-se ver claramente que é um avião, e que por estar perto do horizonte ele parece estar "caindo". A coloração amarelada deve-se ao horário do avistamento, próximo ao por do sol. Eles publicaram a reportagem.
Abaixo está uma explicação sobre o aumento dos meteoros nos céus da Terra:

O especialista José Williams dos Santos Vilas Boas, pesquisador da Divisão de Astrofísica do INPE explicou, por email, o porquê da ocorrência desses fenômenos. Segundo ele, todos os dias milhares de meteoros podem ser vistos caindo no planeta, mas a maioria não pode ser vista a olho nu devido ao pouco brilho que produzem.

Ao longo do ano, a Terra passa por várias regiões no Sistema Solar, que podem concentrar grandes quantidades de partículas, conhecidas como 'meteoroides'. Durantes essas passagens, podem ocorrer chuvas de meteoros, vistas em alguns lugares do planeta. De acordo com Vilas Boas, no momento a Terra está cruzando duas regiões que podem gerar mais meteoros do que o normal e mais brilhantes.

Ele explica que essas regiões se chamam alfa-Centauride e gama-Normides. A primeira fica ativa entre 28 janeiro a 21 de fevereiro, gerando meteoros bastante brilhantes. A segunda região está ativa entre 25 fevereiro a 22 de março e produz meteoros de brilho fraco.

De acordo com o especialista, os rastros vistos nos últimos dias podem estar associados com a chuva de meteoros da região alfa-Centauride, que é vista preferencialmente do hemisfério Sul.

Ele lembra que os meteoros têm tempo de vida muito curto, podendo durar até alguns segundos nos casos de meteoros muito brilhantes ou envolvendo meteoroides de massas grandes, na escala de dezenas ou centenas de quilos.


Fonte:
The Last WorldWide Meteor/Meteorite News
Ururau (dia 21, às 16h24min)
InterTV / TV Globo (dia 20, às 12h)
Folha da Manhã (dia 20, às 13h05min)
Folha da Manhã (dia 21, às 8h40min)
O Diário (dia 21)
Ururau (dia 20, às 11h50min)
InterTV / G1 Serra, Lagos e Norte (dia 20, às 11h49min)
Gazeta / CBN Vitória (dia 20, às 13h57min)
Gazeta / CBN Vitória (dia 21, às 9h36min)
Gazeta / CBN Vitória (dia 21, às 6h48min)
Jornal Nacional (dia 20, às 21h29min)
InterTV / G1 Serra, Lagos e Norte (dia 20, às 16h17min)
Jornal Hoje (dia 20, às 14h)
TV Gazeta / G1 Vitória (dia 20, às 19h36min)
Jornal da Record / TV Record (dia 20, às 22h17min)

Nenhum comentário:

Postar um comentário