quarta-feira, 26 de junho de 2013

Tocha Olímpica irá ao espaço pela 1ª vez na história

rUSSIA LEVARÁ AO ESPAÇO EM NOVEMBRO

A Agência Espacial Russa (Roscosmos) tornou-se Parceiro de Honra do Revezamento da Tocha Olímpica dos Jogos Olímpicos de Inverno Sochi 2014. O acordo foi assinado pelo presidente da Comissão Organizadora, Dimitry Chernyshenko, e o chefe da Roscosmos, Vladimir Popovkin. Segundo o acordo, a tocha olímpica viajará ao espaço para a Estação Espacial Internacional (ISS) e lá irá fazer uma 'caminhada espacial'. Esta deverá ser a primeira vez que a Tocha Olímpica irá ao espaço.

No início do ano, o chefe do Comitê Olímpico Russo, Alexander Zhukov, sugeriu que os esforços seriam feitos para enviar a chama acessa para o espaço. Mas, por causa de regulamentos de segurança a bordo da ISS, ela permanecerá apagada durante todo o tempo. "Temos um foguete alimentado por oxigênio e querosene, por isso há regras básicas de segurança", disse Popovkin (da Roscosmos). "Não pode haver quaisquer chamas."

A tocha olímpica viajará na nave Soyuz TMA-11M no início de novembro desse ano. Uma vez no espaço, os cosmonautas russos Sergei Ryazansky e Oleg Kotov levarão a tocha numa caminhada espacial. Os cosmonautas já começaram a sua formação na Star City. Por razões de segurança, não está previsto que a tocha fique acessa.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Causa de morte de Yuri Gagarin, 1º homem no espaço, só foi revelada agora

aCIDENTE era tido como 'segredo de estado'

As circunstâncias que cercam a morte do primeiro homem a ir ao espaço, Yuri Gagarin, que morreu num acidente aéreo em 1968, têm sido envoltas em teorias e boatos. Agora, o primeiro homem a fazer uma caminhada no espaço diz que pode revelar o que realmente aconteceu com seu amigo e companheiro Gagarin.

Alexei Leonov, que em 1965 tornou-se o primeiro homem a sair de uma nave espacial e flutuar no vácuo do espaço, trabalhou durante anos para saber o que levou à morte de Gagarin. Ele finalmente teve permissão e falou sobre os detalhes em uma entrevista divulgada nesta sexta-feira (14 de junho) pela rede de TV estatal russa Today (RT).
Gagarin em 1968, pouco antes de sua morte.

Leia também: O que há por trás da morte do cosmonauta Komarov?
Yuri Gagarin fez história no primeiro voo espacial tripulado, em 12 de abril de 1961, na missão Vostok-1. Ele morreu no tímido sétimo aniversário da missão, em 27 de março de 1968, quando o caça militar MiG-15 que ele e o instrutor Vladimir Seryogin foram pilotar num voo rotineiro de treinamento caiu ao redor de uma pequena cidade perto de Moscou.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Misteriosa chuva de meteoros pode ocorrer nesta madrugada

Evento acontece daqui a pouco 

Atualização: veja fotos da chuva AQUI
Daqui a algumas horas, o céu pode nos trazer uma bela e excepcional surpresa: uma misteriosa chuva de meteoros pode transformar essa madrugada num dia histórico para a astronomia. Segundo Peter Jenniskens, do SETI, "Se você não olhar naquela data, nunca saberá o que viu e o que perdeu". 

A história começa em 11 de junho de 1930, quando foi inesperadamente observada (notadamente em Maryland, Estados Unidos), por 30 minutos, a primeira e única aparição da chuva de meteoros chamada "Gama Delphinids". Nesse dia, a Lua estava quase cheia, e mesmo com o forte brilho lunar, foi observado um grande número de meteoros, e muitos brilhantes.
Os anos se passaram e não teve outra atividade, só raras aparições tênues. Mas, segundo cálculos recentes, os anos de 2013 e 2027 podem ser os melhores anos para repetir o desempenho de 1910.


Como observar
Os observadores localizados na América do Norte e do Sul estarão mais bem localizados para observar a possível chuva de meteoros. As aparições devem durar entre 30 minutos e 1 hora, e o número de meteoros é desconhecido. No Brasil, o fenômeno (segundo alguns cálculos) começará por volta das 5h da manhã (8h UT, como o Brasil é -3h de UT), mas dado o caráter excepcional, raro e desconhecido dessa chuva, recomenda-se observar o céu a partir das 3h. A recomendação é a seguinte: vá para um lugar escuro, leve um cadeira reclinável confortável e espere pelo menos 45 minutos para o olho se adaptar a escuridão. Depois olhe para o norte (veja a imagem abaixo).
E, como lembra Bill Cooke, da NASA, o fato da Lua não estar no céu facilitará a visualização desses meteoros. A velocidade dos possíveis meteoros dessa chuva é calculada em 57 km/seg, velocidade elevada para meteoros.

Algumas coisas fascinam nessa chuva. O fato dela não ser periódica e praticamente desconhecida é um deles. Mas, o que chama mais atenção é o fato do cometa que gerou esse rastro de poeira ainda ser desconhecido e que os meteoros observados em 1930 foram muito brilhantes!

sábado, 8 de junho de 2013

E se a Apollo 11 falhasse? Veja o discurso e os procedimentos.

"Felizmente, nunca precisou ser lido"

Atualização: Fomos convidados para ser colaboradores da página Universo Racionalista, uma das maiores páginas de divulgação científica do Brasil. Então, esse artigo foi republicado lá. Mas continue acompanhando o nosso blog, os artigos serão postados primeiramente aqui, e nem todos irão para o UR.

O maior feito da humanidade foi conduzido por 3 pessoas e acompanhado por meio bilhão de pessoas. Eles foram até a Lua e voltaram, são e salvos, na missão Apollo 11, em 20 de julho de 1969.
Numa época em que o mundo estava bipolarizado entre as potencias Estados Unidos e União Soviética, e que brigavam por cada feito na área espacial (na chamada Corrida Espacial), qualquer erro poderia ser desastroso, principalmente para os Estados Unidos, que já estavam perdendo essa Corrida fazia tempo...

Para cumprir a promessa do presidente Kennedy, no histórico discurso de 25 de maio de 1961, no qual ele promete ao mundo que americanos iriam à Lua e que voltariam em segurança, os Estados Unidos comprometeram boa parte de seu PIB (o custo total do projeto Apollo é de 19,4 bilhões de dólares, em valores de 1972) e de seus melhores engenheiros e técnicos.

Mas, e se a Apollo 11 falhasse e os astronautas ficassem na Lua?

Como todo projeto bem pensado, as falhas também estavam de certa forma 'planejadas'. A prova disso é que, no Arquivo Nacional dos Estados Unidos está o documento que o presidente Nixon iria ler caso os dois astronautas não conseguissem sair da Lua. Os astronautas também levaram consigo um frasco com cianureto de macarrão, para abreviar a morte.
Escrito dois dias antes do pouso na Lua, pelo jornalista William Safire, responsável pelos discursos do presidente Nixon, ele deveria ser entregue ao secretário de Estado Harry Robbins Haldeman, que por sua vez entregaria ao presidente.

Chamado de "Em Caso de Desastre Na Lua" e revelado no dia 9 de julho de 1999, o discurso nunca foi lido e era seguido de uma oração. Como está escrito no Arquivo Nacional "felizmente, nunca precisou ser utilizado". Os astronautas seriam deixados na Lua, sem comunicação e receberiam bençãos de líderes religiosos. O discurso, na íntegra, pode ser lido abaixo, e é de emocionar: