quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Retrospectiva 2011: o que aconteceu no mundo e o que o Clube de Astronomia fez.

O ano de 2011 já acabou, mas como tudo no Brasil só funciona depois do carnaval, ainda é tempo para lembrar o que aconteceu naquele ano.
Aqui em Campos o Clube de Astronomia realizou vários eventos, entre eles podemos destacar:
 - Farol Estrelado: evento com observação do céu, sessões no Planetário Inflável, palestras e mini-cursos sobre astronomia na praia do Farol de São Thomé em Campos RJ (veja fotos e reportagem da Globo aqui);
 - Comemoramos o Mês Mundial da Astronomia (GAM 2011), com posts durante todo o mês de abril;
 - Fizemos o maior evento na América Latina sobre os 50 anos da 1ª viagem espacial: Yuri's Night;
 - Criamos a Exposição de Fotos de Yuri Gagarin, com fotos do arquivo pessoal do astronomo Ronaldo Mourão;
 - Fizemos o 4º Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica, um dos maiores eventos de astronomia no mundo, que teve a presença do Balé Bolshoi, do astronauta da Apolo 16 Charles Duke, o astronauta brasileiro Marcos Pontes e os dois cosmonautas que foram ao espaço junto com ele, enfim são tantos artigos e notícias q vale a pena buscar no "Pesquisar Este Blog" no canto direito do blog;
 - Começou a funcionar a Escola de Astronomia e Astronáutica, veja a cerimônia de abertura aqui ;
 - o Centro Virtual de Ciências do CALC voltou a funcionar;

Este ano que passou os artigos mais lidos no blog foram:
 - Amanhã teremos a maior Lua Cheia em 20 anos, o artigo mais lido da história do blog xD; 

Quanto ao que aconteceu na astronomia e astronáutica no mundo, uma boa restrospectiva foi feito pelo site espanhol ENTER.CO e pode ser lida abaixo:

1. A aposentadoria do ônibus espacial.

2011 foi um ano marcado pela mudança ou o fim de uma era em vários campos. Há muitos exemplos, mas um dos mais marcantes foi a aposentadoria da frota de ônibus espaciais para a NASA. Emblema da exploração do espaço por mais de três décadas, a frota de ônibus foi o trabalho que ajudou a construir e manter a nossa rede global de satélites, deu vista para as profundezas da astronomia com a construção, transportes e reparação do telescópio Hubble e construiu a Estação Espacial Internacional. Mas a frota da NASA era notável pela sua ineficiência e os acidentes que ocorreram como a perda do Columbia e a Challenger. Sua vida útil tinha sido ultrapassada quando este foi retirado, mas o símbolo icônico dos foguetes  estará sempre na mente de quem viu e viveu suas realizações.

2. A ascensão da indústria privada.

Durante 2011, vários projetos comerciais no transporte e vôo espacial ganharam tração, deixando a esperança de que o vazio deixado pelo ônibus espaciais da NASA não permanecerá assim por muito tempo.
A agência espacial dos EUA mesmo fez significativas contribuições financeiras para várias empresas, dado o alto custo de desenvolvimento de uma solução para o lançamento em órbita, sua política tem-se centrado na promoção de projetos conjuntos.
Desses projetos destaca-se as realizações da empresa SpaceX (Space Exploration Technologies), uma empresa financiada por Elon Musk, co-fundador da PayPal e Tesla Motors. Espera-se que a nave espacial reutilizável Dragon possa começar a fazer viagens para abastecer a Estação Espacial Internacional em fevereiro de 2012.
Foi inaugurado também o primeiro espaçoporto privado do mundo, a empresa Virgin Galactic, propriedade do magnata excêntrico Sir Richard Branson. A empresa planeja fazer seus primeiros vôos à órbita baixa da Terra em 2013 e já vendeu a maioria dos assentos em seu vôo inaugural.

3. O telescópio Kepler e os novos planetas extra-solares.

Apesar de ter sido lançado em 2009, este foi o ano do telescópio Kepler para a mídia, graças à descoberta de vários planetas do tamanho da Terra fora do nosso sistema solar. De particular importância foi a descoberta do planeta Kepler 22-b, localizado dentro da zona habitável da sua estrela (não muito perto, nem longe demais, que não é nem muito frio nem muito quente).
Também é um pouco maior que a Terra, tornando-o o primeiro planeta descoberto com características semelhantes ao nosso (embora pareça que é rochoso, mas cheio de gás). A missão Kepler confirmou a existência de 33 planetas e identificou mais de 2.300 candidatos planetária.
A missão é projetada especificamente para identificar e confirmar a existência de planetas rochosos do tamanho da Terra.

4. A Estação Espacial Internacional.

Pode não parecer como notícia, especialmente quando a aposentadoria do ônibus arrebata manchetes mundiais. Além disso, muitos haviam esquecido que o maior laboratório em órbita da história ainda estava em construção.
Na verdade, a última missão do ônibus espacial foi a instalação do módulo multi-propósito permanente que efetivamente concluiu a construção da Estação.
Esta história ressalta a dificuldade de exploração do espaço, porque quando ela foi concebida, a vida da estação não iria além de 2013. Os altos custos, atrasos e dificuldades técnicas vigentes nesta área da ciência e tecnologia, fizeram com que a estação fosse concluída apenas em 2011 e sua vida útil foi prorrogada até 2028.

  
5. O Telescópio Espacial James Webb.

É a promessa da próxima década para os astronômicos. Ou era, até que ele sofreu uma batalha partidária que tomou conta do Congresso americano durante o ano. Ele é a substituição do telescópio espacial Hubble, e qualquer um que tenha visto as imagens de centenas de galáxias distantes ou a famosa imagem "Pilares da Criação" (nuvens de gás onde nascem estrelas) pode apreciar a importância do Hubble.
O Hubble é o telescópio que mudou a visão da humanidade de Cosmos, da mesma forma que Copérnico fez em seu tempo. Graças ao Hubble entendemos que nosso universo está se expandindo cada vez mais rápido, existem milhões de galáxias, o centro de nossa galáxia é um buraco negro gigante.
O James Webb Telescope foi a substituição natural do Hubble, como é de esperar que sua vida útil não vai além de 2015. No entanto, as dificuldades técnicas do projeto aumentou dramaticamente, como a NASA teve que inventar muitas das tecnologias que o telescópio necessitava. Esse telescópio é um dispositivo em infravermelho, por isso tem que estar distante da Terra, do Sol e dos outros planetas, bem como usar inovadoras blindagens para que os raios infravermelhos não interfiram.
Há esperança, porque finalmente o Congresso americano autorizou 500 milhões de dólares em novembro para o seu desenvolvimento (uma pequena quantidade para uma conferência, por exemplo, subsidia com bilhões de dólares para a indústria do petróleo, uma das mais rentáveis ​​do planeta ). No entanto, seu lançamento só está previsto para 2018, de modo que há muitas outras batalhas políticas para enfrentar.


6. A nave espacial que vem.

Em maio, a NASA revelou qual será a próxima nave espacial para explorar o espaço. Depois de cancelar o programa Constellation, criado pelo presidente Bush (cuja missão era enviar um homem à Lua até 2020), o presidente Barack Obama dirigiu a tarefa mais ambiciosa da agência espacial americana: a de aproximar o homem a um asteróide, e depois chegar Marte.
Para isso, a NASA criou o veículo para fins múltiplos não tripulados (MPCV), embora utilizando os desenhos que já havia desenvolvido para o programa Constellation. Como já tinha um investimento de 5.000 milhões de dólares neste projeto, a NASA foi capaz de apresentar o novo protótipo em tempo recorde.
O novo foguete é uma reminiscência da antiga Apollo, que as cápsulas eram em forma de cone. E este foguete é também concebido para operar em áreas de gravidade ligeira. Isto é, após o seu lançamento inicial, segue-se a partir de seu foguete e permanece em órbita espacial.
Você pode estacionar um desses módulos na Estação Espacial Internacional e enviá-lo para a Lua. O mesmo poderia ser feito em uma futura expedição a Marte. Foi construído e está em fase de avaliação do primeiro protótipo, então podemos esperar mais desses foguetes já ativos em torno de 2030.


7. Espaço de aniversário.

Para muitos, a data de 12 de abril deste ano passou despercebido. Mas, certamente, os fãs da exploração espacial ascenderam uma vela nesta data, uma vez que marcou os 50 anos que o primeiro ser humano deixou para trás a gravidade da Terra e viu o mundo de fora.
Yuri Gagarin foi o primeiro homem a orbitar a Terra, neste 12 de abril de 1961, e embora ele não ter voltado  ao espaço mais vezes, teve um enorme impacto sobre o desenvolvimento  da exploração espacial.


8. A humanidade nunca foi tão longe.

Ou para ser mais preciso, os robôs nunca tinham ido mais longe. Foi neste ano, quando os nossos representantes finalmente chegaram à borda do nosso sistema solar, viajando a 58.000 quilômetros por hora, estão agora no espaço exterior, e tudo depois de voar por 34 anos.
A Voyager 1 está na última esfera de influência gravitacional de nosso Sol, e Voyager 2 vem na sua cola. Acima de tudo, surpreendente que esses dois exploradores ainda está ativos e enviando dados para o sua casa, onde os cientistas estão a compilar e analisar essas informações.
E isso é uma informação de grande valor, uma vez que parece que a saída do sistema solar vem com o seu tumulto e os dados podem ser usados ​​para preparar a partida da Voyager 2. Para quem não se lembra destas missões, elas vão os principais registros em discos dourados com gravações da humanidade em todas as suas línguas.


9. Integração com redes sociais.

Antes, a exploração espacial era algo distante e abstrato. Assim foi com as missões Viking, que foram os primeiros robôs em Marte e são lembrados pelas primeiras imagens que temos do planeta vermelho.
Este foi o caso da Voyager, que nos enviou uma imagem a cada meses de Júpiter, suas luas, Saturno e seus anéis. Mas isso não é mais assim, como a NASA tem mantido um trabalho louvável de integrar as suas missões com mundo a partir das redes sociais para oferecer maior rapidez.
De robôs que respondem ao Twitter a partir da Estação Espacial Internacional até exploradores robóticos na superfície de Marte para atualizar o status diariamente no Facebook, nunca antes os amantes do espaço puderam acompanhar o progresso da humanidade tão de perto.
Melhor ainda, a NASA concentrou muita gente para manter e atualizar suas contas de redes sociais, de modo que pessoas comuns podem obter respostas às suas perguntas ou comentários em tempo real.

10. O céu está caindo.

Na verdade não. O que acontece é que após 50 anos de exploração espacial, a humanidade tem levado muitas coisas para o espaço desde de bolas de golfe até disco de rock, mas como você bem sabe as espécies marinhas, aonde o homem vai ele deixa seu lixo.
Estima-se que hoje há mais de 20 milhões de objetos em órbita da Terra que são resíduos de satélites, missões tripuladas, estações espaciais e foguetes.
Além de todo o lixo que são as centenas de satélites em órbita do planeta em diferentes alturas. Muitos destes têm a sua vida útil ativa, com órbitas planejadas para se decompor no final dessas vidas e cair nos oceanos da Terra.
Este ano temos visto muitos desses cair do céu. O que parece um UFO, uma chuva de meteoros ou uma bomba é apenas uma dispersão de um velho satélite no calor de nossa atmosfera, como foi o caso do satélite ROSAT alemão, que caiu em outubro.


Fonte: 
Revista Alespacio.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário