Com seis meses de atraso, os autores de um dos estudos mais polêmicos de 2010 enfim deram uma resposta formal às duras críticas que receberam da comunidade científica. A pesquisa em questão foi publicada no começo de dezembro na revista Science e descrevia bactérias que teriam arsênio em vez de fósforo em seu DNA. Esses microrganismos foram gaiatamente apelidados de ‘bactérias extraterrestres’, por conta do alarde com que o estudo foi divulgado na internet.