terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Astronauta Buzz Aldrin na Campus Party 2013. Assista palestra completa!

2º homem a pisar na Lua veio ao Brasil

A primeira grande atração da Campus Party 2013 foi ninguém menos do que Buzz Aldrin, segundo homem a pisar na Lua, em 1969 na missão Apollo 11.
A palestra durou 1 hora e ele falou a história da conquista da Lua, sobre seu antigo problema com o alcoolismo, sobre o futuro da exploração espacial, entre outras coisas.
Não vou falar falar muito da palestra, já que ela pode ser vista abaixo. Acompanhe o plantão na CPBr no Facebook e o especial aqui no Blog.
Mas nem tudo foi flores. Como de costume, Buzz Aldrin falou sobre o 'pioneirismo' dos irmãos Wright (sem nem citar Santos Dumont) e logo depois da palestra ele ficou inacessível ao público. Para quem conhece as excentricidades desse artista chamado Aldrin já esperava isso, mas visto que é prática na Campus Party o acesso e o networking com os palestrantes, isso se torna um pouco estranho.



Ele é o oposto do Neil Armstrong, 1º homem a pisar na Lua, que morreu no ano passado. Ele é estiloso (estava de gravata de foguete, anel em formato de Lua, pulseiras de caveirinhas e broche dos EUA) e extrovertido (Armstrong raramente aparecia publicamente).
Algumas curiosidades é que ele não dá autógrafos e quase sempre é arrogante com perguntas não convencionais (ele já chegou a dar um soco num repórter), além de ter sido acusado por atentado ao pudor. Outra coisa horrível foi a qualidade de som na palestra. Uma pena, já que a organização está ótima.


O portal de notícias G1 fez uma ótima reportagem sobre a passagem do astronauta aqui na CPBr, dando enfase no título para uma das frases: "Nunca saberei porque Armstrong foi o 1º a pisar na Lua".
Já o jornal Folha de S.Paulo cita que, numa conversa depois da palestra, Buzz mostra seu descontentamento com o uso das naves russas Soyuz pelos americanos: "Estamos pagando muito dinheiro para o programa espacial deles. As Soyuz não são a maneira mais segura de chegar ao espaço, mas é o que temos por agora".

Bom, e eu fiquei sem minha foto individual com ele. Sabia que era difícil, mas não que seria impossível rs.
Pelo menos tenho essa foto, tirada na 1ª viagem de Buzz Aldrin ao Brasil, em novembro de 2009, na cidade de Campos dos Goytacazes.

Palestra na Campus Party discute viagem no tempo. Veja resumo

Afinal, é possível viajar no tempo?

O 1º dia do evento começou com ótimas palestrar, eu queria ter assistido quatro palestras ao mesmo tempo, mas por razões óbvias não pude rs... Então assisti a abertura do Palco Galileu (que aborda astronomia, robótica, hardware, etc) e a palestra inicial, sobre as viagens no tempo. Acompanhe o plantão na CPBr no Facebook e o especial aqui no Blog.

A abertura do Palco Galileu foi feita de manhã pelo Sergio Sancevero (autor do blog Cienctec e divulgador da astronomia), que logo depois deu a palavra para Dulcidio Braz (pioneiro no ensino da física moderna para jovens e autor do blog Física na Veia!), e então começou a ótima palestra intitulada "Viagens no Tempo".

Quer saber como foi a palestra? Abaixo um resumo, feito por mim, de como ela foi. Boa leitura :)

A palestra começou com uma pergunta: seria possível o feito do Super Homem, em um de seus filmes, quando ele deu voltas em sentido contrário ao da rotação da Terra para voltar no tempo e assim salvar seu grande amor da morte?

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Começa a Campus Party Brasil 2013, acompanhe aqui AO VIVO

Cobertura do blog, direto de São Paulo!


O maior evento de tecnologia do país vai começar daqui a pouco!
A abertura oficial começa às 21h30min, com a presença dos presidentes da Campus Party e da Telefônica Vivo, e contará com uma homenagem a Aaron Swartz (que se suicidou no final do ano passado), personagem importante no debate sobre livre circulação de informações na internet. Assista ao vivo em HD aqui.

Mas a internet de 30Gbps e os quase 8000 campuseiros já estão no Anhembi, em São Paulo, desde cedo. Também tem o YouCa, o canal oficial da cobertura colaborativa, onde cada um pode postar o que quiser e o melhor ganha um Iphone 4S. Acompanhe o plantão na CPBr no Facebook e o especial aqui no Blog.

É impressionante a quantidade de informação que a pessoa pode absorver aqui na CPBr. Para confirmar isso é só ver a a agenda completa do evento, com todos os palcos incluídos (em resumo, cada palco engloba assuntos afins). O palco Galileu que traz as palestras e cursos sobre astronomia, robótica e engenharia espacial.

Amanhã passarão pelo evento grandes nomes como o astronauta Buzz Aldrin (segundo homem a pisar na Lua, com a Apollo11) e Marc Prensky (aclamado escritor, consultor, inovador e visionário da educação).
Acompanhe aqui a cobertura do blog na Campus Party Brasil 2013. E o plantão no Facebook.
Atualização (22h40min):
A abertura da CPBr teve 1 minuto de silêncio em memória aos mais de 200 jovens mortos no incêndio de uma boate em Santa Maria - RS (pelo menos 100 deles eram universitários da UFSM...).

A principal atração de amanhã já esteve aqui no Anhembi: o astronauta Buzz Aldrin (Apollo 11) subiu no palco hoje, durante a abertura e saiu a poucos minutos daqui, cercado de seguranças e sem falar com
ninguém (vindo dele alguma novidade isso? rs).

E para acabar, um show de comédia muito interessante com Gui Toledo, Irmãos Castro e Cauê Moura.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Primeiros palestrantes confirmados no 6º Encontro Internacional de Astronomia

Encontro será em Campos, em abril   


O maior encontro de astronomia no país está chegando. As inscrições gratuitas estão abertas e já temos os primeiros palestrantes confirmados:

Pedro Russo ( Programa UNAWE - Holanda - Leiden University)
José Funes ( Diretor do Observatório do Vaticano - Roma - Itália)
Carlos Gurgel (AEB - Agência Espacial Brasileira) 
Carlos Alexandre Wuensche (INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) 
Gennady Saenko (ROSCOSMOS - a agência espacial da Rússia)
Laurent Laveder ( Projeto TWAN - França)
Nazar Sallam (UAE - Emirados Árabes Unidos)
Sebastián Musso (Presidente do Centro de Estudos Astronômicos de Mar del Plata - Argentina)
Marcos Roberto Palhares (Agência Marcos Pontes)


sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Afinal, o que é matéria e energia escura?

Juntas elas correspondem a 95% do Universo       


Quer começar um final de semana em ótimo estilo? Estava lendo este artigo, bem didático e ao mesmo tempo completo, e decidi postar aqui para quem ainda não leu.
Ele aborda um assunto bem 'popular' e que enche de dúvidas as mentes mais curiosas. O artigo pode ser lido abaixo:

A matéria escura e a energia escura são soluções propostas para explicar alguns fenômenos gravitacionais, e, até onde sabemos, são coisas distintas.

Embora juntas respondam por mais de 95% do nosso universo, só sabemos de sua existência por meios indiretos, observando seus efeitos sobre o universo e tentando deduzir suas propriedades a partir deles.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Anomalias no cinturão de Van Allen fizeram o satélite CoRot 'pifar'

O revolucionário satélite parou de funcionar ao passar pelo Atlântico Sul


Dois mil e treze começa com más notícias para a busca de exoplanetas. A história é a seguinte.

A missão CoRoT, sigla em inglês para Convecção, Rotação e Trânsito Planetário (Corot é um pintor francês, a sigla foi formada para homenageá-lo) tem como objetivo observar a mesma região do céu durante um período bem longo. Dessas observações, as variações de brilho das estrelas são estudadas com o objetivo de se descobrir planetas — através do método de trânsito (quando o planeta passa defronte à estrela) –, além de estudar a rotação das estrelas e a pulsação delas, por meio de um telescópio óptico de pouco mais de 25 cm de diâmetro. Essa é uma missão francesa, mas com intensa participação brasileira.

O satélite CoRoT foi a primeira missão espacial dedicada a procurar exoplanetas e desde 2007 já encontrou 34 (todos confirmados posteriormente) e mais 5 outros que estão próximos de serem confirmados.

Mas o quê teria acontecido com o satélite?
O problema começou em 2009, quando o CoRoT deixou de enviar dados para a Terra. Um baita susto, mas todo o satélite foi construído com sistemas redundantes, ou seja, com sistemas duplicados para serem usados em caso de falha do sistema principal. Desde então ele vinha operando normalmente no sistema alternativo. Mas no dia 2 de novembro último, o sistema de transmissão de dados deixou de funcionar. A telemetria mostra que todos os outros sistemas estão funcionando perfeitamente, toda ordem vinda da Terra é processada, mas o CoRoT não responde. Os engenheiros sabem disso por que a temperatura interna dos circuitos aumenta todas as vezes que enviam algum comando.

Depois de tentar todas as possibilidades, os engenheiros foram para a trivial reinicialização dos sistemas, o popular “reboot”. Mas nem assim o sistema respondeu. O que teria acontecido?


quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Perspectivas para a ciência em 2013

Na astronomia e em outras áreas... 


O brilho do Big Bang

Uma das incríveis imagens do ano pode ser fornecida pelo cometa ISON, que passará perto do Sol em novembro e que pode ser mais brilhante que a lua cheia, já que sua superfície evapora no espaço. Tão espetacular quanto isso será o mapa do tênue brilho [afterglow] do Big Bang obtido pelo telescópio espacial Planck, que poderia revelar até mesmo rugas de ondas gravitacionais geradas durante um período inicial da ‘inflação’ cósmica. Em outras missões, a sonda LADEE da NASA orbitará a lua para estudar a poeira lunar; a missão MAVEN será lançada para explorar a atmosfera superior de Marte; e o jipe Curiosity continuará a transmitir resultados da superfície do planeta vermelho. De volta à Terra, o massivo Atacama Large Millimiter/Submillimiter Array, de 66 antenas, será completado.


sábado, 12 de janeiro de 2013

Teremos super tempestades solares em 2013?

 O pico das tempestades solares será em maio, mas com surpresas. 



Estamos praticamente no pico do ciclo solar, um período caracterizado por fortes ejeções de massa coronal e tempestades solares intensas, capazes de provocar sérios blecautes elétricos aqui na Terra. No entanto, modelos de previsão mostram que isso pode não acontecer neste ciclo.

Para quem não sabe, a cada 11 anos o Sol passa por momentos alternados de alta e baixa atividade eletromagnética, conhecidos por mínimos e máximos solares. Esse período é chamado de ciclo solar ou de Schwabe e desde que as observações começaram a ser feitas já foram contados 24 ciclos até o ano de 2013, quando deveremos atingir o máximo do ciclo no mês de maio.


sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Maior observatório de astronomia gama terá participação brasileira

 Hoje só existe um observatório de astronomia gama no mundo


Um grupo de aproximadamente mil pesquisadores de 28 países, entre os quais dez brasileiros, pretende construir até 2015 o maior observatório do mundo dedicado ao estudo de corpos celestes que emitem radiação gama – a radiação de mais alta energia.
Denominado Cherenkov Telescope Array (CTA), o observatório será instalado em dois lugares diferentes, um no hemisfério Sul e o outro no hemisfério Norte.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Estudante de Campos vai participar de pesquisa astronômica no Chile

 Membro do Clube de Astronomia pesquisará no ESO.


Foi publicado hoje um artigo no jornal Ururau, de Campos, sobre a ida de Luís Fernando, um membro do Clube de Astronomia Louis Cruls para pesquisar no Observatório Paranal, do ESO (Observatório Europeu do Sul - no Chile). 
A rede Record também gravou uma reportagem sobre a viagem, mas não foi transmitida até a publicação deste post. Abaixo, o artigo no jornal:

Um sonho de garoto que aos poucos se torna realidade através de pesquisas e estudos. No dia 14 deste mês o estudante de Física Luiz Fernando Sodré, embarca para o Chile para mais uma etapa de observações no espaço.

Ele vai passar cerca de três semanas no Europen South Observatory (ESO) considerado um dos mais desenvolvidos pontos de pesquisa espacial do mundo. Veja notícia no site do IFF

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

O que os astronautas dizem sobre os discos voadores?

Relatos sobre aparições de OVNIs em missões espacias. 


A Apollo 11 é considerada a missão espacial de maior sucesso da história da exploração espacial.
Por quê?

Há muitas razões bastante conhecidas, mas uma delas pode ter passado despercebida e talvez seja a prova de que não estamos sozinhos no universo.
Em 1969, no auge da Guerra Fria, os soviéticos haviam assumido a dianteira da corrida espacial. Em 21 de julho do mesmo ano, Neil Armstrong e “Buzz” Aldrin Jr. fizeram história ao se tornarem os primeiros a pisar na superfície lunar, cumprindo assim o objetivo traçado pelo histórico discurso do presidente John F. Kennedy em 1961.

Mas outro fato histórico que muitos desconhecem ou ignoram ocorreu antes da chegada do homem à Lua.
Os astronautas da Apollo 11 mantinham comunicação constante com a NASA, em Houston. Três dias após o lançamento, um deles perguntou se alguém em Houston poderia informar a posição da S-IVB em relação a eles.
A S-IVB era a última parte do foguete propulsor da Apollo 11, que tinha se desprendido dois dias antes. O centro de controle respondeu que a mesma se encontrava a 6 mil milhas náuticas de distância.


sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Belo discurso de Neil Armstrong, o 1º homem a pisar na Lua

Discurso de Neil Armstrong, para estudantes universitários recém-formados nos EUA, em 2005:

“Os alunos dos meus tempos de estudante não tinham calculadoras, telemóveis, cartões de crédito, computadores pessoais, Internet ou TV. Alguns podem dizer que foram muito afortunados. Na época da minha formatura na faculdade, os aviões eram impulsionados a hélice. Já existiam uns tantos modelos a jacto, mas os motores a foguete eram ainda primitivos. Caso um aluno ou uma aluna universitários à época sugerisse uma carreira na exploração espacial, seria ridicularizado. As propostas mais sérias para o voo espacial estavam num programa de televisão de domingo à noite, “O Maravilhoso Mundo de Disney.” Mas, passaram apenas três anos, e a União Soviética lançou o primeiro satélite artificial da Terra e assim nascia a era espacial. Numa década, os satélites estavam a ser utilizados ​​para uma variedade de fins científicos e comerciais. Enviamos sondas para os planetas mais próximos e os seres humanos voavam regularmente pelo espaço. Isto sugere que não se podem calcular as mudanças e as oportunidades que vos irão surgir nos próximos anos. Felizmente, as coisas que aqui aprenderam vão ajudar-vos a estarem bem preparados. Não irão cessar de aprender – aprender é um processo ao longo da vida – e têm aqui nesta cerimonia da vossa licenciatura, neste Commencement Day, um grande começo.

A tradição académica dita que um orador deve deixar uma palavra de conselho para os novos formandos. Eu sinto uma sensação de desconforto em relação a isso já que exigiria mais confiança em mim próprio do que eu detenho e seria assumir que as minhas convicções pessoais merecem a vossa atenção. A única observação que sugiro para vossa consideração é que algumas coisas estão além do vosso controle. Como uma doença que mine a vossa saúde ou um acidente. Podem perder a vossa riqueza para um sem número de motivos imprevisíveis. O que não vos é facilmente tirado sem o vosso consentimento são os vossos princípios e os vossos valores. São estes os vossos bens mais valiosos e, se eles forem bem selecionados e nutridos, irão servir-vos muito bem, tanto a vós como ao vosso semelhante. O futuro da sociedade vai depender dum programa de melhoria contínua do carácter humano. E o que será que o futuro nos trará? Eu não sei, mas vai ser emocionante.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Ano novo: 2013 ou 2019?

Pesquisas indicam que estamos comemorando o ano errado!


Para a civilização cristã é mais um ano que passou. Em meio as festas e aos abraços, em algum momento lhe passou pela cabeça que estamos comemorando o ano errado?

Uma pesquisa histórica nos ensina que a era cristã tem inicio no nascimento de Cristo cuja data verdadeira é desconhecida. A estimativa de datas em que se baseia nosso calendário foi feita durante a Idade Média por um monge chamado Dionisyus Exiguus e, segundo uma série de fontes, incluindo a Enciclopédia Católica, de fixar o ano 1 de nossa era em 753 A.U.C. (ab urba condita), depois da fundação de Roma. Acontece que Dionisyus utilizando a data de 25 de dezembro do ano 753 errou nas contas por cerca de 4 anos e além disso não se deu conta de fixar um ano zero; ele apenas chamou o ano 752 de ano 1 antes de Cristo e o de 753 de ano 1 AD (Ano Domini ou Ano do Senhor).

A era cristã foi adotada pela igreja em 532 por sugestão de Dionisyus que decidiu contar os anos a partir de 1º de janeiro em seguida ao nascimento de Cristo. Em 440 é que a Igreja decidiu que a data do nascimento de Cristo seria 25 de dezembro do calendário romano. Os cronologistas por sua vez decidiram retardar sete dias o inicio da era cristã para que coincidisse com o inicio do ano 754 da fundação de Roma. Analisando fatos históricos ligados a Roma e Israel, palco dos acontecimentos, o cálculo de Dionisyus carece de fundamento. Isto porque se Cristo houvesse nascido em 754 da fundação de Roma, Herodes já estaria morto há cinco anos e os apóstolos Mateus e Lucas estariam mentindo.

Sendo válido este raciocínio estamos pois brindando o ano de 2019 ou 2020 segundo o qual Cristo deve ter nascido cerca de seis ou sete anos que o registrado pelo calendário ocidental, considerando o erro maior cometido por Dionisyus. Em seu último livro “A Infância de Jesus”, recém-editado em cinquenta países, o papa Bento XVI diz que Maria deu à luz entre 7 e 6 a.C. o que vem corroborar o acima colocado. Nosso calendário é gregoriano que adveio do juliano e este por sua vez dos egípcios. Ao longo dos séculos, as modificações introduzidas não teve como corrigir as discrepâncias que ocorriam e a solução foi a introdução de um novo calendário pelo papa Gregório XIII que para isto, consultou o astrônomo napolitano Luigi Lilius (1510-1576) e depois o matemático alemão Christophorus Clavius (1537-1612).

Mesmo com as regras estabelecidas no calendário gregoriano que utilizamos a partir de 1582, ele não é perfeito e apresenta um excesso de 0,003 dias em relação ao ano trópico, ou seja, de 1,132 dias em quatro mil anos. Essa diferença pouco significa para a humanidade mas para a datação de fatos históricos, em astronomia, ciência espacial e cálculos relativísticos tal é inadmissível e para isto é que foram criados os relógios atômicos. São eles que controlam a diminuição da rotação do nosso planeta via marés e no fato da Lua afastar-se de nós quatro centímetros por ano.

O efeito acumulativo da diminuição da rotação da Terra cresce proporcionalmente não ao tempo mas ao seu quadrado. Esses cálculos mostram que a diminuição da rotação da Terra se encarregará no futuro de se elaborar um novo calendário. Cálculos indicam que há 900 milhões de anos o ano tinha 480 dias. Acredito que o calendário deveria ser universal, segundo cálculos astronômicos. Como está é historicamente arbitrário e matematicamente errôneo. Quando brindamos um ano novo significa que transcorreram 365 dias, 05 horas, 48 minutos e 14 segundos. São essas voltas ao redor do Sol que ditam a nossa existência. Quantos anos você tem? Ah!, eu já dei tantas voltas ao redor do Sol. Ninguém diz isso, mas poderia falar.


Nelson Travnik é astrônomo e Membro Titular da Sociedade Astronômica da França.

Fonte: Sky and Observers